Alunos dos cursos de Saúde oferecem serviço de teleconsulta durante a pandemia

Consultório Genofamily atendeu mulheres impactadas pela pandemia; em vez de remédios, prescreveu acolhimento e escuta qualificada 

Maria (*) tem problemas com a autoestima e sofre de ansiedade. Com a necessidade do distanciamento social exigido pela pandemia do coronavírus, os conflitos aumentaram. Depois de ser atendida pelo projeto de extensão Consultório Genofamily, do Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH), ela diz que passou a se sentir melhor e mais segura.

“O projeto veio como uma luz no fim do túnel, hoje consigo pensar mais em mim”, diz Maria. O Consultório Genofamily é um projeto interdisciplinar que reúne alunos dos cursos de Enfermagem, Medicina, Psicologia, Nutrição e Fisioterapia do UniBH, coordenado pela professora de Enfermagem, Flávia Andrade. Ele foi realizado em parceria com o projeto de extensão do curso de Pedagogia, coordenado pela professora Eliane Monkey.

O “consultório” tem o objetivo de oferecer teleconsultas com profissionais de todas essas especialidades à população impactada pela pandemia. Na primeira edição, realizada no ano passado, foram realizados 210 atendimentos a 45 professoras que trabalham na Associação de Creches do Aglomerado Santa Lúcia. O Consultório Genofamily continua neste semestre com novos parceiros.

“Fazemos um primeiro contato com a pessoa para pegar os dados e o histórico de saúde, depois segue uma consulta padrão e, a partir daí, direcionamos a paciente para uma consulta com médico, nutricionista ou outro profissional”, explica Flávia. A professora reforça que o intuito do trabalho não é a medicalização, e sim a escuta e a prevenção.

Para ela, atender a pessoa nesse contexto de pandemia traz acolhimento e escuta qualificada, além de prover orientações capazes de estimular a tomada de consciência na adoção de comportamentos preventivos e estratégias para a melhoria da qualidade de vida.

“Quisemos dar essa amplitude do conceito de saúde e qualidade de vida, além do curativo. Teve consulta até para ensinar a meditar”, lembra Flávia.

Importância da interdisciplinaridade 

Do outro lado da mesa do consultório, os universitários também foram muito impactados com o projeto. Um benefício imediato foi o desenvolvimento de habilidades necessárias para a assistência pautada na promoção e prevenção à saúde de maneira integral e humanizada.

Outro legado da ação foi a oportunidade de os alunos vivenciarem a consulta online. “Mesmo que de forma virtual, entrar dentro da casa da pessoa para atendê-la é uma experiência muito interessante. Muitas vezes os alunos perguntavam sobre os exames rotineiros das pacientes e elas paravam as consultas para buscar os resultados e mostrar ali mesmo”, diz.

Além disso, segundo Flávia, os universitários puderam sentir na prática a importância da atuação de uma equipe interdisciplinar, tendo em vista que todos os profissionais trabalham pelos mesmos objetivos: o bem-estar físico e mental das pessoas. “Cada profissional da saúde tem sua especialidade, mas quando os saberes estão integrados no trabalho, o paciente só tem a ganhar.”

(*) nome fictício