Coesão na redação: o que isso significa? Coesão na redação: o que isso significa?

Coesão na redação: o que isso significa?

Uma coesão textual adequada é um dos pontos fundamentais para se garantir uma boa nota na redação do Enem. A coesão nada mais é do que aquilo que permite que as diferentes partes do texto se conectem, criando uma relação de continuidade que torna o sentido geral e a unidade do texto possíveis. A coesão é o que “cola” uma parte do texto à outra. É como se fossem os pontos de encontro entre diferentes argolas de metal que, em conjunto, tornam possível a existência de uma corrente.

A coesão é o que retoma algo que já foi dito, e junto com a coerência (a relação lógica entre as partes do texto), ajuda a criar sentido para aquilo que está sendo exposto. Um texto com boa coesão faz com que, de alguma forma, uma parte escrita sempre se conecte à outra, encadeando as ideias. O fim de uma fofoca ou de uma piada, por exemplo, só tem graça ou faz sentido porque se conecta, de alguma forma, ao que foi dito no começo da conversa. A grande questão é a de como nos apropriamos dos elementos coesivos (aqueles que fazem a coesão) mais adequados para os tipos de texto exigidos em uma redação.

Para a nossa felicidade, há várias opções disponíveis, como o uso de advérbios, pronomes, numerais, conjunções, sinônimos e a repetição de palavras. Trataremos de algumas delas aqui, ao realizarmos um exercício simples, mas que ajuda bastante a estudar os elementos coesivos: trata-se de fazer a leitura de um texto buscando identificar como termos e ideias mencionadas anteriormente são retomadas ao longo das frases e parágrafos. Buscamos entender, também, como esses termos apresentam novas ideias. Vamos lá, na prática fica mais fácil de entender!

Tomaremos como referência o seguinte trecho de uma matéria jornalística, na qual destacamos alguns elementos coesivos.

“Mogli: O Menino Lobo” liderou as bilheterias dos cinemas dos EUA pela terceira semana seguida, mas ainda sem enfrentar a concorrência de “Capitão América: Guerra Civil”. O filme dos super-heróis só estreia por lá na sexta-feira (6).

[1] Assim, sem [2] o principal concorrente, [2] o filme da Disney arrecadou US$ 42,4 milhões na semana, segundo o estúdio. Até agora, o longa já ganhou US$ 684,8 milhões em todo o mundo.

[3] Enquanto ainda não chegou aos EUA, [4] “Capitão América” já vai mostrando sua força nos 37 países em que está sendo exibido, entre eles o Brasil. [2] O filme dos heróis arrecadou US$ 200,2 milhões em todo o mundo, sendo US$ 12,3 milhões no país, valor recorde para o primeiro fim de semana em cartaz por aqui.

[5] Ele também quebrou recordes no México e nas Filipinas, e a expectativa é que alcance US$ 200,2 milhões no primeiro fim de semana de exibição nos EUA (Folha de S.Paulo, 1º de maio de 2016).

Na sequência, trabalharemos esses termos destacados.

[1] Coesão pelo uso de conjunções

Uma das formas mais básicas para se garantir a coesão é pelo uso das conjunções. As conjunções são palavras que buscam relacionar as partes de uma frase ou as diferentes frases e parágrafos em um texto. Elas retomam algo que já foi dito ou anunciam algo de novo.

No início do segundo parágrafo, o jornalista utilizou a conjunção “assim” como forma de dar continuidade ao pensamento anterior — de que o filme Mogli liderou as bilheterias no cinema — apresentando, na sequência, o valor arrecadado pelo filme. Outra opção nesse início de parágrafo seria o uso das expressões “Dessa forma” ou “dessa maneira”, por exemplo.

[2] Coesão por substituição

Outra maneira de retomar algo que já foi dito e manter a agilidade do texto, não o tornando chato ou enfadonho, é a substituição de um termo por outro equivalente. O termo o principal concorrente é utilizado no segundo parágrafo para retomar o filme “O Capitão América” sem que ele fosse mencionado explicitamente.

A situação se repete quando, na sequência, o filme da Disney é utilizado para retomar “Mogli: O Menino Lobo”. Além disso, o termo o “filme dos heróis” substitui o nome do filme “Capitão América”. A substituição é uma das alternativas mais ricas de coesão textual e pode ser utilizada de diversas formas.

[3] Coesão pelo uso de advérbios ou locuções adverbiais

Já na abertura do terceiro parágrafo do texto, temos a presença de uma locução adverbial de tempo — enquanto ainda — para retomar a ideia de que o filme “Capitão América” não estreou nos Estados Unidos e, ao mesmo tempo, para projetar uma nova informação que ainda não havia aparecido no texto — a de que o filme está sendo exibido em 37 países. Junto das conjunções, os advérbios são um dos principais elementos de coesão do texto.

[4] Coesão por repetição

Trata-se da simples repetição de um termo já mencionado no texto. No caso, temos o nome do filme, “Capitão América”. Deve-se evitar o uso da repetição em excesso, considerado um elemento que empobrece a diversidade textual.

Em situações em que o nome de pessoas que aparecem em um texto, por exemplo, uma opção é só repetir o primeiro nome ou o sobrenome, fazendo a repetição parcial. No entanto, quando temos textos grandes e um personagem permanece muito tempo sem ser mencionado, é interessante trazer o nome completo novamente ou trazer o nome junto de uma identificação mais completa.

Por exemplo, se um texto sobre um hospital traz o nome do “Roberto Monteiro, gerente de Pediatria” logo no primeiro parágrafo e, depois, somente no sexto parágrafo e é preciso retomar a fala do Roberto, é interessante dizer novamente que ele é “Roberto, gerente de Pediatria”, ou dizer que ele é “da Pediatria”.

[5] Coesão pelo uso de pronomes

No último parágrafo, temos outra forma bastante comum de retomada de um elemento textual: por meio do uso do pronome pessoal “Ele”, o texto retoma o termo “Capitão América”, mais uma vez, sem que haja a necessidade de repetir o nome do filme. O uso de pronomes “isso”, “aquilo”, “ele”, “ela” etc. é sempre uma opção para retomar algo que já foi dito.

O ideal é sempre buscarmos alternar as formas de retomada de um elemento textual, equilibrando os tipos de elementos coesivos no texto. Junto à prática da escrita, a leitura de diferentes gêneros de textos, jornalísticos e literários, é uma forma de diversificar nosso repertório de elementos coesivos.

Você não precisa decorar se a coesão se deu por pronomes, repetições ou advérbios, mas precisa compreender como diferentes expressões dão conta de apresentar novos termos ou retomar assuntos já trabalhados no texto.

Busque repetir o nosso exercício no seu dia a dia. Pode ser um aliado valioso nos seus estudos para a coesão na redação do Enem, por exemplo. E, para se preparar ainda melhor para o vestibular, acesse nosso site sobre o assunto.



Inscreva-se