Estágio e trainee: entenda a diferença entre eles

Enquanto um é destinado aos estudantes que ainda estão na faculdade, outro é forma que empresas recrutam recém-formados com potencial para assumir cargos de liderança

Às vezes usados como sinônimos, estágio e trainee são programas muito diferentes e não podem ser confundidos. Embora ambos sejam voltados para jovens em início de carreira, o estágio é direcionado para estudantes que ainda estão na faculdade, já os trainees para os recém-formados ou que estão concluindo o curso.

Estágio desenvolve competências práticas da profissão

Como o objetivo do estágio é principalmente preparar para o ambiente profissional, neste tipo de regime o estudante não tem carteira assinada ou direito a benefícios trabalhistas. A remuneração ocorre em forma de bolsa-auxílio, além disso é comum que as empresas concedam auxílio transporte.

A carga horária não pode ultrapassar 6h30 diárias, até porque o estagiário precisa conciliar o trabalho com os estudos. A duração do contrato é de cerca de um ano, e não pode exceder dois. Depois disso, se a companhia quiser mantê-lo, ele deve ser efetivado.

Outra questão muito importante é que um estagiário nunca substitui um colaborador. Ele precisa atuar, inclusive, sob a supervisão profissional de alguém de sua equipe. Qualquer universitário pode estagiar, mas para que seja algo que contribua com sua trajetória acadêmica, é imprescindível que o programa esteja relacionado à sua área de formação.

As empresas também precisam obedecer a um limite máximo de número de estagiários. Eles não podem ultrapassar 20% do quadro nas companhias que possuem acima de 25 colaboradores.

Quer saber mais? O estágio foi regulamentado por pela Lei 11.788, de setembro de 2008,  (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm)) com o intuito de compor o projeto pedagógico de um curso, seja da educação básica ou de ensino superior. De acordo com a legislação, ele pode ou não ser obrigatório, e visa preparar o aluno para o ambiente de trabalho.

Programas de trainee recrutam jovens talentos

Já os programas de trainee funcionam de forma totalmente diferente. Na verdade eles são estratégias de grandes empresas para atrair e reter jovens talentos. Costumam ser compostos por acirrados processos seletivos que exigem domínio de idiomas, entrevistas com gestores, testes de raciocínio, provas de conhecimentos gerais e dinâmicas de grupo. Uma seleção dessas pode durar meses.

De acordo com o Sebrae, tanto no recrutamento quanto durante o programa de trainee, as virtudes que mais costumam ser levadas em conta são: liderança, capacidade de comunicação, criatividade, empreendedorismo, flexibilidade, foco em resultados, capacidade de solução de problemas, visão estratégica, visão de negócios de forma ampla, proatividade e habilidade para trabalhar em equipe.

Tenha em mente que o objetivo das companhias é encontrar profissionais com capacidades técnicas e socioemocionais capazes de assumir posições estratégicas no futuro. Por isso, depois de selecionados, os jovens talentos costumam ser envolvidos em atribuições de caráter gerencial. Se apresentarem alta performance, são promovidos rapidamente.

Os trainees cumprem a mesma carga horária dos demais colaboradores e, mesmo sendo iniciantes em suas carreiras, costumam ser bem remunerados e ter contratos via CLT com todos os benefícios trabalhistas. De acordo com o Sebrae, o salário de um trainee gira em torno de R$ 5 mil, o que pode parecer alto para um profissional sem experiência.

Empresa molda, profissional cresce

Como estão integrados em times de grandes empresas, os trainees também têm a possibilidade de participar de cursos, workshops e seminários que agregam conhecimento e ajudam a expandir o networking.

Para as empresas, a vantagem de contratar profissionais juniores é poder moldá-los ao longo dos anos, de acordo com seu propósito e cultura, desenvolvendo aptidões necessárias para cargos de liderança.

Enquanto o profissional vê a chance de uma ascensão rápida, a companhia tem a comodidade de dispensar seleções externas para encontrar colaboradores atuantes no mercado, muitas vezes já cheio dos famosos “vícios profissionais”.

Faculdade como rede de apoio no ingresso ao mercado de trabalho

Já passou o tempo em que faculdades e universidades se limitavam a contar com um banco de vagas de estágios e trainees e deixar para os alunos a tarefa de mergulhar por conta própria no mercado de trabalho. Atualmente, os centros de estágio têm uma função muito mais ativa, voltada para acompanhar e auxiliar o desenvolvimento da carreira de seus alunos.

“O papel básico da faculdade ainda é oferecer uma central de gestão de estágios, auxiliando na parte burocrática e facilitando o ingresso dos alunos em seu primeiro contato com o mercado de trabalho”, explica Joana Meniconi, coordenadora dos cursos de Comunicação, Design e Relações Internacionais no UniBH.

“Mas temos a responsabilidade de ir além disso. Estudamos constantemente o mercado para identificar qual é o futuro da profissão em que nossos alunos estão se formando, para assim poder direcioná-los às novas tendências de crescimento em cada setor”, aponta Joana.

Universidades e empresas se aliam para formar melhores profissionais

Com o intuito de capacitar os alunos para o mercado de trabalho, Joana explica que o UniBH mapeia quais são os tipos de empresas e serviços que mais estão contratando em cada um dos cursos oferecidos. Com os dados em mãos, passam a fazer parcerias com empresas estratégicas, que ofereçam estágios em serviços que tendem a crescer no futuro.

Frutos dessas parcerias, ações como hackathons e maratonas de inovação, muitas vezes premiadas com vagas de estágio ou trainee, tem se tornado praxe em faculdades com o UniBH, que buscam se modernizar e se manterem alinhadas ao mundo profissional. Afinal, ambientar universitários ao clima das empresas é uma das maneiras de torná-los aptos a se candidatarem a posições de gestão e liderança no futuro.

Esse posicionamento também coloca a UniBH em uma posição de destaque no mercado, colocando-a na mira de empresas modernas que procuram em universidades novos talentos para seus programas de trainee.

“No UniBH acreditamos que promover parcerias com empresas modernas, em linha com as tendências do futuro do mercado, é um meio de criar um ecossistema promissor para nossos alunos se familiarizarem com habilidades requisitadas no mercado, tornando-os mais aptos para concluírem seus estudos com a experiência de estágios qualificados e com programas de trainee encaminhados”, conclui Joana.