Qual a diferença entre Arquitetura e Urbanismo e Decoração? Qual a diferença entre Arquitetura e Urbanismo e Decoração?

Qual a diferença entre Arquitetura e Urbanismo e Decoração?

Apesar de possuir algumas características bem distintas, muita gente ainda tende a confundir habilidades e funções de um profissional de Arquitetura e Urbanismo com as de um profissional de Decoração. As confusões com as duas áreas costumam gerar alguns problemas com relação às atribuições legais e também às de responsabilidade civil.

Para poder pontuar melhor essas diferenças, vamos mostrar um pouco das duas carreiras, para ajudar você a escolher uma delas.

Como se tornar um decorador

A primeira coisa é procurar uma boa instituição que ofereça o curso tanto com estruturas preparadas quanto com um ensino de qualidade. Você pode encontrar o curso na modalidade tecnológica, de graduação em nível superior e os técnicos de decoração, do ensino médio. O importante é escolher o mais adequado para o seu objetivo.

Em todo caso, procure cursos que contam com bons professores que já atuam na área, que possuem renome e que têm bagagem de experiências. O conhecimento adquirido em sala precisa ir além do básico e a busca pela experiência profissional deve ser incentivada.

Além disso, para poder ser um decorador, é essencial não se limitar apenas em fazer um curso. Pelo contrário: participe de simpósios, congressos e ainda faça cursos livres para poder se destacar no mercado de trabalho. Cursos como paisagismo, iluminação de interiores, projetos e muitos outros são indicados para quem quer enriquecer seu currículo e ter sucesso nessa profissão.

Atividades de um decorador

O decorador é um profissional que pode atuar em projetos de ambientes, podendo este tipo de trabalho ser feito para escritórios, casas, apartamentos, lofts ou mesmo festas. O profissional pode escolher um segmento para poder atuar, se especializando em apenas uma dessas áreas citadas, mas isso fica à disposição dele.

Grande parte dos decoradores atuam acompanhando obras, ao lado dos empreiteiros e dos arquitetos. Dessa forma, a parceria entre Arquitetura e Decoração é uma medida muito comum.

Ele também acompanha a compra de itens para a decoração dos ambientes, assim como indica locais com melhores preços. Por essa razão, é importante que o decorador possua um bom catálogo de fornecedores, que não precisa ser necessariamente elaborado antes de começar a atuar no mercado, uma vez que naturalmente ao longo do tempo os contatos vão surgindo.

O curso de Arquitetura e Urbanismo

O arquiteto e toda sua formação se dá pelo curso superior de Arquitetura e Urbanismo, que, geralmente, possui cinco anos de duração. Nele, são abordados diversos temas como representação gráfica, resistência dos materiais, planejamento urbano, projeto de edificações, paisagismo, arquitetura de interiores, entre outros.

A formação em um curso como a Arquitetura permite que o estudante possa atuar em diversas áreas como: planejamento de projetos, desenvolvimento de plantas, elaboração de orçamento, padronização, execução de obra, serviços técnicos e muitos outros.

Como a formação do arquiteto se dá em diversas áreas, isso lhe permite também um bom embasamento artístico, assim como visão abrangente de espaços. Arquitetos precisam estar sempre preparados para a execução de projetos em escala urbana, de grande porte ou mesmo no interior de residências.

Já na área de urbanização, que também faz parte do curso, as atividades exercidas se assemelham bastante com às de engenheiros civis, pois ambos podem atuar na construção de edifícios, porém, o arquiteto urbanista terá mais exclusividade em seu trabalho quando se tratar de planejamento urbano e regional, trabalhando também com monumentos e patrimônio cultural.

Dividindo a Arquitetura em três tendências

Em primeiro lugar, estão os que se dedicam à decoração de interiores. O grande sucesso de eventos tipo Casa Cor, que conseguem unir casa e mercado, cuja visitação atrai inúmeras pessoas e supera as mostras de Arquitetura, é um bom exemplo dessa grande atração por arquitetura de interiores.

Depois, podemos citar arquitetos de edificações, executores e projetistas que são responsáveis pelo desenvolvimento de prédios comerciais, condomínios etc. Essas são tarefas essenciais, que requerem grande responsabilidade de seu trabalho. Este tipo de função é sempre realizada em conjunto com engenheiros civis, em que ambos trabalham não só com as questões estéticas dos empreendimentos, quanto com questões estruturais, de suporte e de construção.

A terceira tendência corresponde aos arquitetos que receberam também formação em Urbanismo e, por isso, podem planejar grandes regiões e bairros. De modo geral, estes são encontrados nos órgãos públicos e em universidades.

Principais diferenças entre Decoração e Arquitetura e Urbanismo

Decoradores são profissionais com conhecimento mais voltado para elementos decorativos, como o uso de tapetes, cortinas e mobiliários. Para planejamentos de pequenos espaços, este pode ser um bom profissional. No entanto, eles não podem fazer nenhum tipo de reforma, como alterações da composição das paredes, estruturas, fiações etc.

Se você for um decorador, não se proponha a fazer esse tipo de alteração, pois isso é ilegal para a função. Decoradores não dispõem de um tipo de diploma que os habilite a fazer essas intervenções e, havendo algum acidente, o cliente não terá o responsável para responder legalmente às alterações.

Mesmo assim, a contratação de serviços de Decoração para poder mudar as características físicas de uma obra ou de um projeto ainda é uma prática muito observada, mas, como decoradores não podem fazer reformas, entra aí a ótima parceria entre as duas funções.

O trabalho do profissional de Arquitetura e Urbanismo começa no momento em que se escolhe o terreno para a construção, com o parecer sobre toda localização, legislações, aspectos ambientais e também topográficos.

O arquiteto é o responsável pelo projeto de estrutura dos ambientes, enquanto o decorador torna estes espaços mais agradáveis tanto visualmente quanto ergonomicamente.

Personalidade: onde a sua se encaixa?

Atualmente, diversas empresas já estão usando testes psicológicos para contratar pessoas. Mas calma aí! O objetivo não é descobrir se o candidato ao emprego é algum tipo de “louco”.

Na verdade, a missão desses testes é compreender melhor a personalidade de cada interessado para ver qual deles se encaixará melhor (e será mais feliz) desenvolvendo a atividade.

Nesse contexto, uma das metodologias de teste mais utilizadas para identificar padrões de personalidade é a classificação  Myers-Briggs Type Indicator (MBTI). Ela foi criada pelas cientistas norte-americanas Katherine Briggs e Isabel Myers com base nos tipos psicológicos descritos pelo famoso psiquiatra Carl Jung.

O indicador se baseia em preferências psicológicas de 4 eixos:

  • extroversão (E) ou introversão (I);

  • sensação (S) e intuição (N);

  • pensamento (T) ou sentimento (F);

  • julgamento (J) ou percepção (P).

As combinações possíveis entre essas características resultam em 16 tipos de personalidade, como ESTJ, INFP, ENTP e assim por diante. Cada uma dessas personalidades está mais ligada a determinadas profissões.

Veja a seguir onde as profissões de Arquitetura e Urbanismo e Decoração se encaixam:

Para quem a carreira em Arquitetura e Urbanismo é indicada?

A carreira em Arquitetura e Urbanismo é especialmente indicada para pessoas que se encaixam nos grupos de personalidade INTP e ENTP.

O grupo INTP foi batizado pelos pesquisadores de “os engenheiros”. Seus integrantes são introvertidos, usam bastante a intuição no dia a dia, preferem a lógica e a consistência na hora de tomar decisões e, por fim, estão abertos a novas informações antes de “bater o martelo”.

Apesar do grupo ser denominado de “os engenheiros”, é fácil compreender por que os arquitetos e urbanistas se encaixam na classificação. Pessoas com esse perfil são práticas, lidam bem com números e medidas, têm boa inteligência espacial e análise estratégica.

Além disso, costumam ser reservadas e independentes, capazes de assumir a responsabilidade e conduzir um projeto do início ao fim. O grupo também sente necessidade de dominar conhecimentos que valorizam a lógica e a consistência.

Por todos esses motivos, são profissionais que se adaptam a funções que permitem criar e propor novas ideias.

Já o grupo ENTP é classificado como o time dos “inventores”. Sua personalidade é relativamente semelhante ao grupo anterior, com a diferença de que são pessoas mais extrovertidas — o que acaba resultando em algumas características finais distintas.

O grupo dos inventores também é analítico e adaptável. Gosta de processos criativos e costuma encontrar oportunidades constantemente, seja para criar ou recriar processos.

As pessoas com esse tipo de personalidade têm alto interesse por aprender e participar de coisas novas. Ao mesmo tempo, são capazes de analisar riscos e ter visão estratégica.

Não é à toa que os arquitetos e urbanistas se encaixam nesse perfil. Profissionais desse tipo gostam de ter espaço para experimentar e sugerir novas soluções. Da mesma forma, se sentem empolgados ao liderar grupos para executar suas ideias.

O que levar em consideração ao optar pela profissão de arquiteto e urbanista?

É fundamental ter em mente que a área de Arquitetura e Urbanismo é extremamente ampla. Nela, você pode aplicar uma série de diferentes interesses e habilidades.

Por sua amplitude, a Arquitetura pode chegar a ser um pouco mais próxima da decoração em alguns casos — como na arquitetura de interiores. Por outro lado, também pode se aproximar bastante do trabalho realizado por um engenheiro, como no Urbanismo.

Digamos que você queira optar pela faculdade de Arquitetura e Urbanismo. É importante ter em mente que durante a graduação você terá que cursar tanto disciplinas mais analíticas (ligadas a números e cálculos) como matérias ligadas à criatividade (mais subjetivas e visuais).

Por outro lado, ao longo da carreira, você poderá direcionar sua especialização para a área que for mais compatível com a sua personalidade e os seus interesses. Isso pode ser feito por meio de estágios, trabalhos acadêmicos, trabalho de conclusão de curso, experiências profissionais, participação em projetos e leituras complementares.

Para quem a carreira em Decoração é indicada?

A carreira em Decoração é especialmente indicada para pessoas que se encaixam no grupo de personalidade ISFP.

O grupo ISFP foi batizado pelos pesquisadores de “os compositores”. Seus integrantes são introvertidos, mas ao mesmo tempo usam bastante as informações externas (que recebem do mundo) no dia a dia.

Além disso, costumam tomar decisões com base nos sentimentos. Por fim, também estão abertos a novas informações antes de “bater o martelo”.

Os compositores são sensíveis, ou seja, capazes de compreender as necessidades de outras pessoas e adaptá-las ao trabalho. Também são modestos e perfeccionistas: gostam de ver tudo bem acabado e no lugar certo. Até por isso se adaptam tão bem à profissão de decorador.

As pessoas com essa personalidade são mais motivadas por se expressar de uma forma não verbal, isto é, sem usar palavras. Em seu trabalho, elas preferem lidar com cores, imagens e composições.

Por meio desses caminhos, conseguem expressar aquilo que as palavras não são capazes. Adoram arte, embora não necessariamente precisam gostar de pintar ou criar esculturas, por exemplo.

Os profissionais do grupo dos “compositores” gostam de trabalhar de forma independente, sem sofrer muitas interferências na sua rotina e no seu processo criativo. Aliás, para eles, criar é algo natural, que faz parte do cotidiano.

O que levar em consideração ao optar pela profissão de decorador?

Se você gosta de criar em cima de um espaço predeterminado, podendo exercer sua criatividade — especialmente de forma visual —, este pode ser um ótimo caminho.

No entanto, é bom ficar atento ao fato de que o decorador não pode interferir na estrutura da obra, mesmo nos espaços internos.

Seu trabalho será utilizar a estrutura existente como base, como se fosse uma “tela em branco” na qual você poderá criar, se expressar e imprimir um pouco da sua própria personalidade. Sempre, é claro, buscando compreender e atender às solicitações dos clientes.

Conclusão

Estas foram algumas características das duas áreas, pra você poder conhecer um pouco mais sobre essas profissões, que tornam o mercado da construção algo tão importante e também mais bonito.

Seja qual for sua escolha da profissão a ser seguida, você estará bem servido nas duas funções. Agora, é só correr e fazer sua inscrição para a vestibular. Estes cursos vão te oferecer formações bastante completas para que você se apaixone pelos 2 segmentos.

Esperamos que tenham gostado de post de hoje e que ele tenha ajudado você a escolher sua próxima carreira. Quer saber mais sobre outras profissões? Que tal transformar um hobby em uma carreira profissional? Para ler mais sobre estas informações, clique aqui.

 

“ebook”