Zootecnia x Medicina Veterinária: entenda a diferença entre as profissões

Enquanto um é focado mais em gestão, outro tem possibilidades muito mais amplas; Medicina Veterinária é um dos cursos de destaque do UniBH

 

Embora estejam relacionadas ao mundo animal e por isso exigem, necessariamente, uma afinidade com este universo, os cursos de graduação de Zootecnia e Medicina Veterinária são muito diferentes porque são profissões independentes.

O zootecnista é um profissional habilitado a gerir um sistema, como uma granja de aves, de suínos, uma fazenda de bovinocultura de leite ou corte, uma piscicultura, uma bubalinocultura (criação doméstica dos bubalinos), ou, ainda, uma produção de caprinos ou ovinos. 

“Este profissional tem muita expertise em nutrição, gerenciamento de propriedade rural, e melhoramento genético, mas não trabalha com reprodução animal”, explica Breno Mourão de Sousa, coordenador do curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH).

Já o médico veterinário é um profissional com as competências e habilidades necessárias para cuidar da produção animal mas, principalmente, da saúde animal. 

Curso do UniBH é o segundo mais procurado

O curso graduação em Medicina Veterinária do UniBH é o segundo mais procurado da instituição, só atrás de Medicina. O coordenador do bacharelado elenca como grandes diferenciais que justificam o sucesso da formação, o tripé: infraestrutura, corpo docente e metodologia de ensino. 

Na infraestrutura, o destaque é o Hospital Veterinário que oferece diversos programas e possibilita que o aluno vivencie a experiência e os desafios reais da profissão, além dos laboratórios de anatomia do sistema musculoesquelético e do laboratório dos sistemas vitais para as atividades práticas. 

“O campus é imenso, há os laboratórios multiuso e temos o maior hospital acadêmico instalado em ambiente urbano da Grande BH, depois do da UFMG. O hospital tem o primeiro grupo de resgate animal em situação de emergência, e dois blocos cirúrgicos para animais de pequeno e grande portes”, afirma Sousa. 

Outro destaque do curso é o corpo docente, que possui grande número de doutores com bagagem teórica e científica, além de prática.

Por fim, o coordenador destaca a metodologia de ensino inovadora do bacharelado, que acompanha as mudanças de conceitos e tendências exigidas pelos profissionais do futuro, que vão além da capacidade técnica. 

“Em vez de estudar um conteúdo para várias espécies, aqui nós fazemos o contrário, estudamos dentro daquela espécie, os conteúdos integrados. O estudante não vai estudar a fisiologia do cão ou do pássaro, vai aprender ‘cão’, envolvendo questões sobre anatomia, fisiologia, farmacologia, clínica e cirurgia. É o modelo invertido que favorece o aluno a ter foco e aprendizado”, conta o coordenador. 

Além da grade composta pelas Unidades Curriculares, o universitário ainda pode participar de grupos de estudos, organizar eventos e desfrutar de outras atividades extracurriculares. “Para se ter uma ideia, nossa matriz tem 4 mil horas, mas o aluno nunca se forma com menos de 5 mil”, finaliza Sousa.