Encontro Empresarial e UniMundi são destaques no último dia de evento

Por: Débora Samara, Guilherme Drager, Iago Ferreira, Laura Mourão e Rita Luiza – colaboradores CACAU

No último dia de Circuito Acadêmico e Congresso Acinnet, além das apresentações de PI’s e minicursos, diversas palestras e Roda Viva que pautaram a inclusão no meio da educação fizeram parte da programação.

O Roda Viva, ministrado pela coordenadora do Amadinhos Down, Karina Icassati, discutiu a importância da inclusão social das crianças com Síndrome de Down. A palestrante conta que criou o projeto – que hoje faz parte do projeto Eu Sou Capaz, do UniBH – por não se sentir representada, como mãe de uma criança com t21, pelas demais ongs. “São pessoas completamente capazes, se elas receberem os estímulos e adaptações necessárias. Depende muito mais de cada um de vocês incluir essas pessoas”, pontuou Karina.

 

Já no estande do NOPI (Núcleo de Orientação Psicopedagógica e Inclusão), que tem como objetivo acompanhar alunos e colaboradores com algum transtorno ou deficiência, diversos jogos foram usados para identificar as estratégias de aprendizado dos alunos e avaliar de qual forma eles absorvem melhor o conhecimento, se é pela audição, visão ou sinestesicamente.

 

Entre os Projetos Interdisciplinares, o “Agenda +” destacou-se pela manhã. Desenvolvido por alunas do curso de Medicina, o app consiste em otimizar a logística de consultas e agendamentos entre médicos e pacientes. Um fator interessante é que o aplicativo poderia se expandir tranquilamente por todo o território nacional, sem se restringir apenas à Minas Gerais. Dentre as facilidades proporcionadas pelo sistema, uma resposta em tempo real, baseada no tempo gasto para chegar até a consulta, é algo que ajuda economizar tempo perdido em espera.

Os minicursos também foram bem movimentados na manhã desta quinta (23).

No Workshop Fotografia Mobile, o professor Felipe Ataíde falou sobre as possibilidades de fazer excelentes fotos usando apenas o celular. “A oficina de fotografia mobile tem o objetivo de mostrar para as pessoas a possibilidade de tanto usar melhor a câmera do celular, quanto de fazer edições, até num nível profissional, só com o smartphone. Então, a gente utiliza aplicativos, tanto para a captação das fotos, quanto aplicativos gratuitos de edição de imagem”, disse o professor.

No segundo dia de UNIMUNDI, o debate girou em torno dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). As 21 delegações formadas por alunos dos cursos de Relações Internacionais, Direito, Odontologia, Engenharia Química, Psicologia e Jornalismo tinham como função propor recomendações envolvendo um dos 17 tópicos que formam os ODS dentro da agenda 2030. Ao final, os participantes com suas delegações redigiram um documento final reunindo as informações dos dois dias. Para ser aprovado, ⅔ das delegações presentes precisaram assinar esse documento de recomendações concordando com os tópicos apresentados.

 

Já o período da tarde foi marcado pelo primeiro Encontro Empresarial com o tema Inovação, Talento e Economia Criativa. A abertura foi feita pelo Reitor Rafael Ciccarini e os demais convidados falaram sobre os impactos da revolução digital no mercado de trabalho, nas formas de se aproximar a universidade do mundo dos negócios, e a preparação do aluno para lidar com o mercado pensando na comunidade e em problemas reais. Dentre os convidados: Gustavo Greco, Gustavo Pena, Alexandre Flores, Fábio Lacerda e Guilherme Soarez.

 

 

Mais tarde, aconteceu o Roda Viva com o tema “Refugiados e Migrantes no Século XXI”, onde Emanuel Michel-Barreto, coordenador de Línguas e Cultura do Serviço Jesuíta de Apoio ao Migrante e Refugiado, Lorenzo Gontijo, aluno do curso de relações internacionais do UniBH, e Catarina Flister, integrante do projeto LER (Leitura e Escrita para Refugiados), discutiram experiências e pontos de vista a respeito do assunto, sendo mediados pelo professor do curso de direito e relações internacionais, Waldeir Eustáquio.

 

A noite de encerramento contou com um bate-papo sobre “Música, Internacionalização e Comunicação: a cultura de Minas no mundo”, com a presença de Toninho Horta, Petrônio Souza Gonçalves, Joana Boechat, Geo Cardoso e do coordenador do recém formado curso de Música Popular e Gestão de Carreira, Rodrigo Borges. O bate-papo contou, ainda, com Elias Santos como mediador. Juntos, eles discutiram como a música trabalha ao lado da comunicação e da internacionalização. Além disso, Toninho Horta mostrou sua linha de produtos, como livros, cd’s e cadernos, e prestigiou a todos com uma breve apresentação.

 

 

O Cinema Comentado, que aconteceu no Anima Lab, trouxe o longa “Roma”. Uma obra cinematográfica que se passa na Cidade do México e conta a história de uma empregada doméstica que, em um ano, tem várias mudanças em sua vida. Com a participação de Loque Arcanjo Júnior e Cláudio Duarte, os presentes discutiram o cinema como ferramenta para se pensar na história.

 

A noite também foi marcada por apresentações de alunos. As turmas de 5º, 6º e 7º período de Biomedicina, além de simular uma cena de crime, demonstrou como seria o processo realizado por peritos para descobrir o que realmente aconteceu. Já os alunos das engenharias Química, Mecânica e de Produção, trouxeram como inovação a utilização de rejeitos das barragens de minério para a produção do filamento usado na impressão 3D. Por fim, tivemos as finais dos campeonatos de e-sports. A equipe vencedora de League of Legends foi a Fear Clan, enquanto no Counter Strike a vencedora foi a Xiulvl10.

 

Confira o videoclipe do dia:

Inscreva-se