A pandemia do novo coronavírus tornou-se o maior desafio sanitário e de saúde deste século e diante da emergência global, as instituições, professores e estudantes da área da saúde têm atendido ao chamado para atuarem na linha de frente do combate ao COVID-19.

O curso de Medicina do UniBH, por meio da sua vocação humanista e de amplo compromisso social com a comunidade de Belo Horizonte, vem atuando em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, na realização das barreiras sanitárias, instaladas em 14 pontos de entrada e saída da capital.

De acordo com supervisor docente do UniBH junto a ação municipal das Barreiras Sanitárias, professor Lucas Knupp, os estudantes que foram selecionados para participar desta ação, tem atuado diariamente na retenção e encaminhamentos de possíveis casos sintomáticos respiratórios, em uma atividade ampla de cuidados com a saúde. “Os indivíduos que apresentam sintomas são encaminhados para os centros de saúde e os hospitais de campanha que foram construídos para receber os pacientes da COVID-19. Mas além desta análise apurada sobre a pandemia, os nossos estudantes estão atuando também na promoção da saúde em um contexto geral, identificando possíveis sintomas de outras doenças e fazendo os encaminhamentos necessários. É um trabalho educativo muito necessário”, reforça.

Gabriel Rivadavia de Farias Amaral, estudante do 11º período tem atuado na barreira instalada na Regional Centro-Sul. Gabriel conta que o trabalho de educação e conscientização é fundamental para enfrentar a falta de conhecimento de parte da população sobre os riscos da pandemia. “Do ponto de vista da atenção primária à saúde, a barreira sanitária é uma oportunidade muito importante para podermos nos comunicar de forma clara e objetiva com a população em geral. Nos atendimentos que realizamos é possível esclarecer dúvidas e reforçar os cuidados para a prevenção. É um trabalho necessário, pois muitas pessoas ainda não compreenderam o risco que a COVID-19 representa não só para a saúde, mas para toda a sociedade”, destaca.

Outra participante da iniciativa, a aluna Ana C. Kilson, conta que escolheu se voluntariar para atuar nas barreiras sanitárias, como forma de contribuir socialmente para o enfrentamento ao novo coronavírus. “Eu vi que tinha um espaço nas minhas atividades em que poderia encaixar a minha participação na barreira e não hesitei em me voluntariar. As barreiras são muito importantes para o encaminhamento, prevenção e orientação da população. Estou atuando na Regional Leste e é uma experiência muito boa. As pessoas aqui estão muito abertas ao diálogo e tem recebido bem as informações sobre os cuidados com a saúde. É um aprendizado diferenciado para a minha formação, atuar em uma situação de pandemia como a que vivemos”, descreve a estudante.

 

Sobre as barreiras

 

Desde o dia 18 de maio, a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), com o apoio da Polícia Militar, Guarda Municipal e BHTrans, implementou “barreiras sanitárias” como uma ação de enfrentamento da propagação da COVID-19.

A ação ocorre de segunda a sexta, das 07 às 13 horas no primeiro turno e das 13 às 19 horas no segundo turno.

Podem participar alunos dos dois últimos anos dos cursos de Medicina e Enfermagem, cujos estágios tenham proposta pedagógica compatível com a ação proposta pelo Município.

Exclusivamente para esta ação, o EPI será disponibilizado pela SMSA.

A empresa 99 POP disponibilizou vouchers para o deslocamento dos profissionais e os alunos terão a opção de realizar o trajeto Regional > Barreira Sanitária e Barreira Sanitária > Regional utilizando deste recurso.

As barreiras sanitárias são distribuídas da seguinte forma:

Regional Centro Sul = 04 barreiras

Regional Nordeste = 02 barreiras

Regional Noroeste = 01 barreira

Regional Oeste = 01 barreira

Regional Venda Nova = 02 barreiras

Por ser uma ação de grande relevância social, estabelecida por momento atípico, a SMSA-BH emitirá declaração de participação em ação de enfrentamento à COVID-19.

Receba os melhores conteúdos e fique por dentro de tudo