Por que a geriatria?

O Acontece na Medicina convidou os professores da geriatria para falarem sobre a sua escolha pela área e sobre a importância da ampliação do ensino-aprendizagem nas áreas de geriatria e de cuidados paliativos. Confira:

 

Juliana Montijo Vasques

Residência em Clínica Médica pela Santa Casa de BH-MG

Especialização em Geriatria e Gerontologia pela USP-SP

Médica geriatra pela SBGG

Professora da graduação de medicina na Unibh

Preceptora da residência de geriatria do HOB

Médica geriatra do CEM Oeste da PBH

Mestranda em Educação em Saúde pela Unifenas-BH

 

Porque escolhi a geriatria?

Porque a geriatria é uma especialidade em crescente mercado de trabalho e onde eu abordo não apenas a doença do paciente, mas o próprio paciente e sua família. Na geriatria realmente consigo exercer bem a medicina, acolhendo as queixas de meu paciente e de seus familiares, num cuidado integral. Sei que faço a diferença na vida das pessoas que atendo!

Qual a importância da geriatria para o ensino?

Porque a população brasileira está envelhecendo muito rápido e, no entanto, o deficiente conhecimento geriátrico na graduação médica tem contribuído decisivamente para as dificuldades na abordagem médica destes pacientes. Desta forma, é preciso melhorar as informações e a capacitação dos estudantes sobre as necessidades das pessoas idosas.

Portanto, é necessário ensinar aos alunos como devem atender os pacientes, resgatando o sentido de cuidado integral, numa avaliação abrangente do idoso, com enfoque nos aspectos funcionais, psicológicos, sociais, econômicos, seus anseios e preferências, além de atender a família deste paciente.

 

Daniel Gonçalves Rêgo

Graduado em Medicina pela UFMG em 1995

Residência em Clínica Médica pela Santa Casa de BH (1995-1997)

Título de especialista em CLM pela Soc. Bras. de CLM em 2000

Especialização em Geriatria pelo Serviço de Geriatria do Hospital Mater Dei (2002-2004)

Título de especialista em Geriatria/Gerontologia pela SBGG em 2004

Mestre em Neurociências pela UFMG em 2014

 

Porque escolhi a geriatria?

Escolhi a geriatria porque é a especialidade que me permite trabalhar com o idoso (com quem muito me identifico) em sua totalidade, ou seja, abordando todos os aspectos de sua saúde.

 

Qual a importância da geriatria para o ensino?

É importante ampliar o ensino-aprendizagem em geriatria porque a demanda por maior número de médicos geriatras continua grande:

– o número deles ainda é pequeno quando se considera o contingente atual de idosos, e o quanto esta população crescerá em breves anos

– a condução da saúde de pessoas idosas por especialistas em geriatria/gerontologia aumenta a acurácia do ato médico, reduz a ocorrência de iatrogenia, otimiza o uso dos recursos materiais e favorece a manutenção do paciente em melhor estado funcional

– a existência de recursos terapêuticos avançados permitiu a sobrevivência de pessoas portadoras de doenças incuráveis, algumas das quais em estado de sofrimento físico e emocional que nos fez repensar como atendê-las sem aumentar tal sofrimento. Assim, o tratamento do idoso nesta condição específica exige treinamento em cuidados paliativos.

 

Camila Rabelo Monteiro de Andrade

Graduada em Medicina pela UFMG em 2011

Residência em clínica e geriatria pelo Hospital Odilon Behrens

Residência em cuidados paliativos pela USP

Pós-graduação lato sensu em Direito da Saúde pela Faculdade Arnaldo

 

Porque escolhi a geriatria?

Escolhi a geriatria por me identificar com o jeito de trabalhar dos preceptores geriatras que conheci na Residência de Clínica Médica, especialmente devido ao trabalho coordenado com a equipe multidisciplinar e por considerar o paciente como um ser social e não apenas como um conjunto de doenças.

Qual a importância da geriatria para o ensino?

Nossa população cada vez mais envelhecida precisa de profissionais que incluam no cuidado a avaliação da funcionalidade, que pode ser impactada por deficiências na mobilidade, na cognição, no humor e nos órgãos do sentido, que nos permitem comunicar.

O médico geriatra faz uma avaliação ampla do paciente incluindo os fatores acima e isso permite o planejamento de um cuidado individualizado e assim mais adequado ao cada paciente em específico.

 

Juliana Elias Duarte

Graduada em Medicina pela UFMG em 2001

Especialização em Medicina de Família e Comunidade – Nescon UFMG 2002/2003

Especialização em Geriatria HC – UFMG 2005/2006

Geriatra titulada pela SBGG – MG – 2010

Título Área de atuação em Medicina Paliativa pela AMB – 2012

Preceptora de Geriatria do HC-UFMG

Presidente eleita da SBGG – seção MG para o triênio 2020-23

Coordenadora do serviço de Geriatria do Instituto Orizonti de Oncologia e Longevidade

 

Porque escolhi a geriatria?

A escolha da geriatria aconteceu ainda na época da faculdade.  A visão ampla que o geriatra tinha ao avaliar seu paciente, e o cuidado centrado neste me atraíram e me pareceram ser a forma correta de se atuar na medicina. A geriatria me atraiu também por reunir saberes da clínica médica os quais eu sempre gostei de estudar: cardiologia, neurologia, reumatologia e psiquiatria. Por fim, o envelhecimento populacional brasileiro abriu possibilidades para a atuação nessa especialidade.

Qual a importância da geriatria para o ensino?

A importância da geriatria é enorme! Gosto de dizer que o médico geriatra atua como um maestro em uma orquestra, ele harmoniza o cuidado do idoso e não deixa que este se faça de forma segmentada. Quanto mais frágil é uma pessoa, mais ela precisa desse olhar abrangente sob sua saúde e mais está indicado um acompanhamento com um médico geriatra.