Duração: 10 semestres
Titulação: Bacharelado
Turno(s): matutino, noturno.
Unidade(s): Buritis.

A alimentação é fundamental para a qualidade de vida das pessoas. Por isso, o curso de Engenharia de Alimentos do UniBH forma profissionais capazes de administrar e criar indústrias de alimentos que se preocupam com a qualidade de toda a cadeia produtiva, desde o recebimento da matéria-prima, passando pela higienização e processamento, até a embalagem, o marketing e a comercialização dos produtos.

Além disso, o UniBH é o único a oferecer uma planta-piloto, onde os alunos podem praticar o aprendizado na Fábrica-Escola e nos Laboratórios Abertos para Projetos Interdisciplinares. Assim, eles enfrentam desafios reais e podem se preparar para o dia a dia da profissão.

Contato do coordenador: Carolina Maria Ferreira Santos - carolina.ferreira@unibh.br

O engenheiro de alimentos pode atuar nos diferentes setores de produção; controle de qualidade; planejamento e projeto industrial; gerenciamento e administração; fiscalização de alimentos e bebidas; marketing e vendas; pesquisa e desenvolvimento de produtos; e consultoria.

O parecer Nº 776/97 da CES/CNE define que os cursos de graduação orientem-se de forma a oferecer uma sólida formação básica, preparando o futuro graduado para enfrentar os desafios das rápidas transformações da sociedade, do mercado de trabalho e das condições de exercício profissional.

De acordo com recomendações das Diretrizes Curriculares dos Cursos de Engenharia, Resolução CNE/CES 11, de 11 de março de 2002, art. 3°, “o curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação na identificação e solução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade”.

As indústrias de alimentos são responsáveis por processar a matéria-prima agropecuária e transformá-la em produto final para o consumo. O setor agroalimentar, assim como outros setores do agronegócio nacional, também vem passando por um processo intenso de reestruturação. O grande número de fusões e aquisições no setor (com grande participação de empresas estrangeiras), a realocação de algumas agroindústrias, as novas tecnologias de informação, as rápidas mudanças nos hábitos de consumo alimentar, a desregulamentação de várias cadeias agroindustriais e as novas condições macroeconômicas do país têm remodelado os padrões de concorrência no setor. Dessa forma, parece claro que o paradigma competitivo que se revela nessa nova situação de concorrência acaba por demandar práticas gerenciais novas, que deverão ser asseguradas por profissionais com perfis profissionais adequados. Para que o Engenheiro de Alimentos formado pelo UniBH esteja preparado para enfrentar essa nova realidade, ele deverá:

– Desenvolver uma postura humanística através de permanentes oportunidades para aguçar sua sensibilidade;

– Identificar-se como membro integrante da sociedade em que está inserido, sintonizando seus projetos profissionais com as demandas sociais;

– Assumir sua responsabilidade visando ao combate à fome e ao desperdício de alimentos, como fatores de dignidade e cidadania;

– Ter sólida formação nos aspectos fundamentais das Ciências Exatas e Biológicas e sua extensão à ciência e tecnologia de alimentos;

– Utilizar com desenvoltura os recursos computacionais disponíveis em sua área de atuação;

– Ter pleno domínio dos processos básicos da indústria de alimentos em que o Estado é ainda fortemente carente;

– Ter interesse pela pesquisa e familiaridade com sua metodologia;

– Manter-se atualizado com os avanços científicos e tecnológicos, em nível internacional, em sua área de atuação.

O UniBH possui o único curso de Engenharia de Alimentos de Belo Horizonte aprovado e reconhecido pelo MEC. Para aulas práticas, o curso conta com uma mini-indústria de alimentos com Planta Piloto de Leite e Derivados; Frutas e Hortaliças; Carne e Derivados; Panificação; Laboratório de Engenharia; e Laboratóri.o de Secagem de Alimentos.

Unidade De: Por:
Buritis (manhã e noite) 1.679,00 1.378,00

Valor referente ao pagamento até o 5º dia útil de cada mês, para ingressantes de 2019/1.

Laboratório de Análise Sensorial
Laboratório de Bioquímica
Laboratório de Bromatologia
Laboratório de Física
Laboratório de Química Analítiva
Laboratório de Química Orgânica
Laboratórios de Informática
Planta Piloto – Engenharia de Alimentos

Associações de Classe
A profissão de Engenheiro de Alimentos em Minas Gerais vem sendo regulamentada e fiscalizada pelo CREA-MG e pelo CRQ-MG.

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais – CREA-MG
http://www.crea-mg.org.br/Paginas/default.aspx

Conselho Regional de Química de Minas Gerais
http://www.crqmg.org.br/

Conheça o infográfico do nosso Modelo de Ensino.